“Não podemos banhar-nos duas vezes no mesmo rio porque as águas nunca são as mesmas e nós nunca somos os mesmos”. O existir é um perpétuo mudar, um estar constantemente sendo e não-sendo, um devir perfeito; um constante fluir...

Se gosta seja amigo :) Namasté!

4 de novembro de 2010

Blogagem Coletiva - Minha Ideia é Meu Pincel

The Rose Garden - Paul Klee (Blogagem colectiva do Café com Bolo da Glorinha)

Quem chegasse agora aqui, onde eu estou, pensaria que era Primavera...o céu de um azul intenso, sem nuvens, as borboletas que namoriscavam aqui e ali, as flores viçosas...bandos de melros saltitando em busca de alimento...estava no topo do mundo...
Mas não. Não é Primavera. Estamos em Novembro. E Novembro, aqui, deste lado do Mundo, é Outono.
O topo do mundo fica nas traseiras da minha casa. Há muito que resolvi chamar assim a este semi-jardim, cheio de vida, onde lagartixas, libelinhas, caracóis, melros, formigas, pardais...e todos os outros minúsculos seres da criação diariamente atravessam o meu caminho ora dizendo - "cuidado não me pises!" - ora atirando um "olá" envergonhado ou um "és grande tu!" apressado.
É onde a minha cadela pode ainda correr solta e livre de estigmas, carimbos, leis sem nexo discriminatórias...
Topo do mundo porque daqui eu vejo até lá bem longe, á linha do horizonte...um pedacinho de mar entre os prédios do lado esquerdo, a serra de Sintra e o Castelo dos Mouros numa vasta imensidão sem distância, quando o paredão de nuvens descansa do outro lado do mundo que a minha visão alcança...
Do lado direito, o topo das árvores do cemitério, protegido por um alto muro. Não me incomoda e a vida ensinou-me a ter mais cuidado com os que caminham aqui do que com os que caminham do outro lado, esses normalmente até me dão uma ajudazita.
Topo do Mundo porque daqui vejo a cidade toda, as encruzilhadas dos caminhos, ruas, ruelas, o verde que brota por entre o cinzento das estradas, e do colorido dos prédios. Este verde está sempre presente. E o rosa e o cinzento dos prédios. Uma mescla que em dias como este vibra em milhares de tons derivados.
Topo do mundo porque aqui moram 3 familias de formigas, em formigueiros gigantes...facilmente diríamos que são pequenos aos nossos olhos...mas...os prédios também me parecem pequenos daqui onde estou, e contudo, eles são gigantes...e assim é também com estes formigueiros. Gigantes e bem construídos...facilmente passeio pelas suas ruas e ruelas escuras...não. Escuras aos nossos olhos humanos...pois aos olhos de uma formiga, e aos seus outros sentidos, estas ruas e ruelas pulsam de luz e vida em cada esquina. É maravilhoso entender a organização e gestão que lavram debaixo dos nossos pés. Elas atarefam-se aproveitando o dia bonito para armazenarem o sustento durante o Inverno, e repararem paredes e caminhos, fortificando-os para que nem a chuva nem o frio lhes chegue.
O topo do mundo é assim. Ao seu redor, e no seu interior...a vida tece caminhos, encruzilhadas, pontes entre mundos visíveis e invisíveis, mundos repletos de cores, de luz, de sombras, de encontros e desencontros...quantas historias por contar...quantas cores por pintar...






12 comentários:

António Rosa disse...

Siala,

Foi o que pensei quando cheguei aqui ao blogue: é Primavera!

Beijos

António

Socorro Melo disse...

Olá!

Belíssimo! Um texto maravilhoso, poético e bem filosófico.

Admiro a sociedade das formigas, e das abelhas, e aliás, toda natureza me encanta.

Paz e Luz!

Socorro Melo

Eliane disse...

Que belo o seu jardim no topo do mundo. Um beijo cor de rosa hoje e sempre.

Glorinha L de Lion disse...

Siala, que coisa mais linda essa tua descrição do lugar onde vives: o topo do mundo! Certamente se dá para ver Sintra é róseo e perfumado como o quadro de Klee...linda visão do mundo através da natureza e dos pequenos animais que a habitam. Grande beijo,

Lu Souza Brito disse...

A beleza da natureza minuciosamente descrita. Riqueza de detalhes. Adorei conhecer o "topo do mundo!

orvalho do ceu disse...

Olá, Siala amiga
Post diferente e repassou a beleza do outono com alma de primavera...
Lindo!!! Gostei dos pequeninos animaizinhos e sua beleza no viver com organização...
Voltei da roça e lhe trouxe um bj com gostinho de interior.

Malu Machado disse...

Uma primavera, sem dúvida. Cheia de inspirações. Parabéns.

Bjs,

Luma Rosa disse...

Formigas no topo do mundo! As casas seriam os casulos e por isso as flores gigantes? Acho que fiquei enlouquecida imaginando tudo isto! (rs*) Beijus,

Suziley disse...

Querida Siala:
Aqui, cheguei neste belo blog, repleto de borboletas para o seu "topo do mundo", admirar. A tela do seu coração está em permanente construção e como disse: "quantas cores por pintar"!! Adorei a sua bela participação. Parabéns!! Um ótimo final de semana, boa noite :)

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Siala. Eu adorei as borboletas do seu blog! rs. acho poético ve-las passando pela tela.

Sabe... que bonita sua visão da tela. A visão do topo do mundo, o castelo dos mouros.

Eu "conheci" Sintra em um especial da tv japonesa, uma série sobre Portugal muito bonita. E Sintra ganhou um especial, contando a rica história e mostrando a beleza do local, sua importância. E já ficou gravado no campo dos sonhos, como um lugar que almejo conhecer.

Gostei muito de seu post, excelente! E viva Sintra!
bjs

António Rosa disse...

Siala

O blogue 'LIght' teve a amabilidade de me oferecer o selo 'Dardos' e uma das regras é passá-lo para outros blogues que apreciamos. Por isso, decidi oferecer-lhe o 'Dardos' pelo reconhecimento dos seu ideias pelo seu próprio blogue. Clique aqui para aceder à informação completa.

Abraços,

António

Siala disse...

Desculpem o atraso na resposta. Quero agradecer a todos a visita e palavras :) Esta Blogagem Colectiva é realmente espectacular por permitir a partilha de tantas sensações diferentes originadas pelas mesmas imagens :)
Namasté