“Não podemos banhar-nos duas vezes no mesmo rio porque as águas nunca são as mesmas e nós nunca somos os mesmos”. O existir é um perpétuo mudar, um estar constantemente sendo e não-sendo, um devir perfeito; um constante fluir...

Se gosta seja amigo :) Namasté!

26 de outubro de 2009

I call upon me the power of my Sacred Crow


Embora cada fase da vida tenha o seu animal de poder - pelo menos comigo é assim e eles apresentam-se naturalmente - há um que se encontra sempre presente, é o meu tontem animal, o Corvo.
Porque precisava, porque pedi, inconscientemente, hoje os Corvos vieram até mim fisicamente. Esperavam-me onde sabiam que eu iria chegar e chamaram-me para que erguesse o meu olhar da Terra para o Céu, que rasgaram num voo largo e sereno...apelando directamente ao Ser em mim para os seguir nesse movimento do olhar...da Terra conhecida para os céus abertos do desconhecido...convidando-me para ir um pouco mais além.

Levaram nas asas negras o meu sorriso, o meu agradecimento, e deixaram no meu coração o  grito áspero tão bem conhecido que me aquece a alma e embala novamente a coragem de ser...simplesmente ser...


O corvo sempre foi o portador da magia. Este seu papel foi reconhecido nas mais diversas culturas, ao longo dos tempos, em todo o planeta. É considerado sagrado honrar o Corvo como sendo portador da magia. Se esta magia for ruim, ela inspirará muito mais medo do que respeito. Aqueles que trabalham com a magia de forma errada têm razões para temer o Corvo, pois isto é sinal de que estão se imiscuindo em áreas que não dominam, e os feitiços que estão fazendo certamente acabarão retornando contra eles. Em vez de deplorar o lado negro da magia, conscientize-se de que você só irá temer o Corvo quando necessitar aprender algo sobre os seus temores secretos ou sobre os demônios criados por sua própria imaginação.




A magia do corvo é poderosa e pode lhe infundir a coragem necessária para penetrar nas trevas do vazio no qual residem todos os seres que ainda não tem forma definida. O Vazio é denominado “Grande Mistério”. O Grande Mistério já existia antes que todas as coisas viessem a existir. O Grande Espírito é oriundo do Grande Mistério e vive no Vazio. O Corvo é o mensageiro do Vazio.

O Corvo é prenúncio de mudança de consciência, que pode, inclusive, significar uma viagem pelo Grande Mistério ou por alguma senda situada à margem do tempo. A cor do Corvo é a cor do Vazio - o buraco negro do espaço sideral que congrega todas as energias criadoras. Significa que você conquistou por seus próprios méritos o direito de vislumbrar um pouco mais da magia da vida.

Na cultura dos índios norte-americanos, a cor preta tem diversos significados, mas não simboliza o mal. O preto pode simbolizar, por exemplo, a busca de respostas, o Vazio, ou o caminho para as dimensões suprafísicas.

O Corvo é o mensageiro da magia cerimonial e um curador que opera à distância e que está sempre presente em qualquer Roda de Cura. É ele que conduz o fluxo de energia de uma cerimônia mágica, guiando-a até o seu objetivo final. Seu papel é o de interligar as mentes dos praticantes do ritual com as mentes daqueles que estão necessitando daquele trabalho.

A magia do Corvo não pode ser interpretada de forma racional porque é a magia do desconhecido em ação, preparando a chegada de algum acontecimento muito especial. O Corvo é o protetor dos sinais de fumaça e das mensagens espirituais representadas por ele.

Nota: (Jamie Sams , As Cartas Xamânicas - A descoberta do poder através da energia dos animais, Ed. Rocco.)


8 comentários:

Adelaide Figueiredo disse...

Siala,

desconhecia todo o simbolismo do corvo. No entanto, sempre os achei misteriosos mas nunca os temi.

Paz e Luz

Astrid Annabelle disse...

Siala!
É apaixonante ver e sentir o movimento da sua alma...
Está ficando quase pronta sua encomenda...
Um beijo grande.
Astrid Annabelle

segredo disse...

Siala,
como sempre um texto k nos ensina e nos leva a querer mais!
Beijinho de lua*..*

Siala ap Maeve disse...

Adelaide, Astrid, Segredo, o corvo sempre me fascinou. Por incrivel que pareça o meu primeiro contacto com estes seres foi em livros e sonhos e mais tarde em Inglaterra. A sua manifestação na minha vida foi-se tornando cada vez mais forte, evidenciando que eram o meu animal de poder xamanico, e hoje em dia visitam-me em alturas de crise, aqui numa terra onde não existem corvos...vêm de longe estes dois, relembrar-me quem eu sou...quando perco o pé...
Beijos de Luz

Reyel disse...

Ainda não consegui descobrir meu animal de poder.

Há alguma forma especial p saber?

Obigada por acompanhar meus blogs.

Muitas bênçãos!

Fada Moranga disse...

Olá Siala!

Simpatizo com o corvo.
Quando fui à Torre de Londres achei-os irresistíveis, tão lustrosos e saltitantes. Tive que tirar-lhes um retrato! Lindos! :-)

Bem hajas e beijos***deFada

Siala ap Maeve disse...

Reyel, há várias meditações que ajudam a encontrar o nosso animal de poder, aconselho a que a priemira seja guiada pois trata-se de algo muito pessoal e convem termos primeiro alguma confiança no que estamos a fazer :) Depende também muito da nossa ligação á Natureza e da conexão.
Bjos de luz

Siala ap Maeve disse...

Fada, eu também fiquei abisnada com eles em Inglaterra...estive em Bristol e eles andavam em bandos pelas ruas, como as nossas pombas :) Fiquei extasiada pelo tamanho deles, cerca do dobro dos nossos corvos :)
Bjos de luz