“Não podemos banhar-nos duas vezes no mesmo rio porque as águas nunca são as mesmas e nós nunca somos os mesmos”. O existir é um perpétuo mudar, um estar constantemente sendo e não-sendo, um devir perfeito; um constante fluir...

Se gosta seja amigo :) Namasté!

28 de agosto de 2009

Não...mas NÃO mesmo ;)


Ao comentar este texto do Antonio José Rosa no seu Blog Cova do urso, saiu-me este texto que aqui deixo ficar...
Esqueci-me apenas de dizer-te António...Não, mas NÃO mesmo ;)
Quem ainda não leu recomendo que leiam primeiro o artigo dele para que se entenda a minha resposta. Estamos a falar de política, as próximas eleições e a oposição, partidos politicos, que temos...

Oposição? Qual oposição? Só para rir...ainda não vi/ouvi nenhum dos partidos da oposição a apresentar soluções, criticas construtivas, alternativas, novas visões...e para mim oposição é isso mesmo. Não basta dizer que não concordamos, que está mal feito, que podia ser melhor...onde está a oposição estruturada em visões válidas? Onde anda a politica ao serviço do bem comum, dos cidadãos e cidadãs, ao serviço do desenvolvimento sólido e equilibrado das múltiplas estruturas que sustentam a nossa sociedade? ... A democracia começa em cada um de nós. O civismo começa em cada um de nós. O respeito, a consideração, a ética, a mudança...começa em cada um de nós individualmente...depois propaga-se, espalha-se, contagia :) Não podemos continuar á espera que os políticos, partidos e governos façam a papinha toda por nós. Eles são espelho de nós, daquilo que nós somos... da sociedade que diariamente nós construimos com as nossas opções, cedências, acções, desejos, anseios, submissões e desistências... Já está na hora de acordar, de assumir responsabilidades e assumir o poder que cada um de nós tem. É fácil criticar a política e os políticos...mas será que podemos exigir a estes seres aquilo que nós mesmos não somos capazes de fazer no nosso dia a dia? Porque será que Portugal está a passar por esta situação? Porque será que temos os políticos que temos?
Quantos de nós defendem a verdade a todo o custo? Quantos de nós são éticos e puramente desinteressados nas suas acções diariamente? Quantos de nós compactuam com injustiças, com situações dolorosas, com crueldade? Quantos de nós preferem ficar em frente á TV quando o nosso tempo é precioso para outros (família, animais, solidariedade social, etc?)
Não é nada fácil olhar-mo-nos ao espelho...
Eu continuo a acreditar que é possível. Eu continuo a acreditar no poder que cada ser humano tem, e no que tem de bom...Acredito na politica, na politica verdadeira, não na farsa que todos nós ajudámos a criar.
Eu vou votar. Votar é um direito. É um direito conquistado com lágrimas, suor e sangue pelos nossos antepassados, quem sabe por alguns de nós também? Votar é um dever cívico...é uma das formas de participação activa. Votar é também uma arma...no dia em que os votos em branco forem a larga, esmagadora maioria, talvez uma mensagem bem clara passe...
Neste momento, receio por Portugal...
Peço desde já desculpa se o meu comentário ferir a susceptibilidade de alguém, não é essa a minha intenção.
Entendam que em cada palavra minha há um profundo amor por este país, por todos nós e pelo planeta.

4 comentários:

António Rosa disse...

Fantástico. Beijos.

Samsara disse...

Olá Siala

Percebo tão bem a tua revolta e preocupações porque as partilho também. Não é por acaso que o meu voto tem sido em branco e por enquanto vai continuar.

Beijinhos

Siala ap Maeve disse...

Antonio, um post inspirado pelo teu post :) Obrigada por nos ofereceres estes maravilhosos instantes luminosos :)
Beijos meus

Siala ap Maeve disse...

Sam, exactamente...imagina uma votação toda de votos em branco, dizendo claramente, nós votamos mas não em vocês ;)
Beijos