“Não podemos banhar-nos duas vezes no mesmo rio porque as águas nunca são as mesmas e nós nunca somos os mesmos”. O existir é um perpétuo mudar, um estar constantemente sendo e não-sendo, um devir perfeito; um constante fluir...

Se gosta seja amigo :) Namasté!

29 de junho de 2009

Até um dia, NAJAH


Najah do Vale d´Huyo
06.04.2006 - 27.06.2009

R.I.P.







Agora que as lágrimas já não são mais que sulcos de sal na minha pele.
Agora que os soluços se consumiram e não mais intreferem na firmeza dos dedos.
Agora que a dor se esvaiu, num grito surdo que me cegou por longos instantes e escureceu o olhar até este se fechar para tudo que não fosses Tu...
Quero que saibas que me sinto honrada e agradecida por teres feito parte da minha vida, por me teres permitido afagar-te a cabeça, encontrar forças no brilho do teu olhar, sorrir com cada tropelia, e inchar de orgulho com cada conquista...Ver-te crescer, fazer parte da tua vida, foi uma dádiva especial.
Foste uma cachorra excepcional, linda, cheia de vida, de instinto, de garra, de força.
Nunca tive oportunidade de te pedir desculpa por tudo o que se passou e levou á nossa separação, primeiro temporária e depois definitiva...situações que me levaram a ter que te encontrar outras mãos, outros olhos, outro coração que te amasse tanto como eu te amava. Deixei-te ir pelo amor que te tinha, por te querer ver feliz...
Sei que sabes que fiz o meu melhor. Entreguei-te no dia 29 de Dezembro de 2007 a um ser especial, mas mesmo vendo a empatia imediata, mesmo vendo a forma como ambos se reconheceram de imediato, mesmo sabendo que tinha cumprido a minha parte e que agora era altura de te deixar ir para quem estavas destinada pelo Universo...mesmo assim chorei Najah. Porque te amava. Porque te amo. E disse "ela ainda voltará para mim!"
Mas tu não tinhas que voltar para mim...
E hoje partiste. Tão cedo, meu amor! Com tanto ainda para ver, para viver...
Deixas um vazio enorme preenchido com imagens dos tempos felizes que passámos juntas...
Os passeios que demos pelos campos sem fim, as corridas, as descobertas...adoravas saltar pela erva alta, afocinahvas a terra em busca de tesouros escondidos e farejavas o ar de cabeça bem erguida, inspirando todos os aromas que a vida te oferecia...Superaste sempre todas as expectativas nos nossos treinos, superaste todas as expectativas nas exposições em que participaste, beleza e instinto aliados, perfeitamente unidos.
Por onde passavas, as cabeças voltavam-se e ouviam-se sussurros de admiração.
...
Acendi uma vela no meu altar e pedi ao meu anjo Anauel que que te guie no regresso a casa, pleno de luz e paz.
Imagino-te livre, a correr pelos campos estelados do Universo, onde o teu negro pelo se fundirá com o firmamento, as tuas marcas castanhas afogueadas marcarão o nascimento de novos mundos e o brilho dos teus olhos ofuscará o brilho das próprias estrelas...
Tu. Tu que foste, és e serás sempre uma parte de mim...
Um dia estaremos novamente unidas. Voltarás a saltar-me para cima num ímpeto de alegria que eu receberei de braços abertos e sorriso rasgado. Vais lamber-me as lágrimas da cara, vou afagar-te a cabeça e apertar-te contra mim...
Vais encontrar todos os animais que me abençoaram com o seu amor nesta vida... a cadela Fifi, o siamês Bébé, a siamesa Fani, a rottweiler Runa, o Rottweiler Shot, o gato Khensu, a siamesa Lucky...e todos os pequenos seres que na sua grandeza tanto me ensinaram ao cruzarem as suas vidas com a minha na constante batalha pela vida...diz-lhes...eu sei que eles sabem, mas diz-lhes que nem por um segundo eu me esqueço deles, e que eles vivem no meu coração, e que eu os amo muito... brinca muito com os que partiram antes de ti, com os que partirão antes de mim...até ao dia em que também eu partirei nessa mesma viagem de regresso á nossa casa...
Até lá meu amor...até lá...

Nota: A Najah partiu aos 3 anos de idade devido a choque anifilático provocado pela anestesia de um exame de displasia da anca. Este exame é obrigatório e muito importante para a erradicação deste problema de saúde tão comum nas raças grandes e gigantes. Não havia forma de prever esta reação, muito rara. Ao J. o meu agardecimento e todo o meu amor e luz por a ter amado como eu amei...ou até mais.

3 comentários:

António Rosa, José disse...

Siala

Já estão juntas em outro plano. É tudo uma questão de memória. Vocês cumpriram o que tinham que cumprir.

Paz à sua alma.

Abraço

Maria Paula Ribeiro disse...

Siala,

Amiga,

Como bem entendes,comovem-me muito textos como este. Mas a tua forma como o escreveste, só demonstra que amor não faltou à Najah.

Que siga a sua viagem, com a maravilhosa partilha do amor que lhe destes.

A ti, recebe um forte e carinhoso abraço meu.

Maria de Fátima disse...

Olá Siala paz à sua alma, a Najah era uma cadela muito bonita e teve a sorte de ter uma dona que a amou sempre mesmo depois de ela ter sido entregue a outro dono.Beijocas.