“Não podemos banhar-nos duas vezes no mesmo rio porque as águas nunca são as mesmas e nós nunca somos os mesmos”. O existir é um perpétuo mudar, um estar constantemente sendo e não-sendo, um devir perfeito; um constante fluir...

Se gosta seja amigo :) Namasté!

16 de setembro de 2010

Nessun Dorma...





Ao olharmos alguém automaticamente construímos uma intrínseca teia de julgamentos sobre ela. Não sabemos nada. Nunca a vimos, não a conhecemos. Mas a nossa mente rapidamente nos ludibria e faz acreditar que sim, com base numa série de pressupostos e preconceitos...
Ao olharmos a realidade, ou aquilo que pensamos ser a realidade, automaticamente construímos uma intrínseca teia de julgamentos sobre ela. Não sabemos nada. Nunca a vivenciámos porque a realidade é um constante devir a cada segundo. Mas a nossa mente rapidamente nos ludibria e faz acreditar que sim, com base numa série de pressupostos e preconceitos...e isto acontece num milésimo de segundo...
Quantos erros não se cometem assim?

Quantas pessoas, oportunidades, experiências, maravilhas...não perdemos simplesmente sem nos apercebermos?

Nem tudo o que parece é...é preciso olhar de olhos fechados, com o coração...

Um comentário:

António Rosa disse...

Eri

Tive a surpresa de encontrar este vídeo. Bom, foi uma delícia.

Fui ao Facebook procurá-la para agradecer-lhe a partilha e não consegui encontrar. Buscando por «Eri» aparecem muitas Éricas, mas fiquei sem saber qual era o seu perfil.

Beijos

António