“Não podemos banhar-nos duas vezes no mesmo rio porque as águas nunca são as mesmas e nós nunca somos os mesmos”. O existir é um perpétuo mudar, um estar constantemente sendo e não-sendo, um devir perfeito; um constante fluir...

Se gosta seja amigo :) Namasté!

29 de abril de 2008

QUASE

Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez é a desilusão de um quase.

É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi.

Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou.

Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas ideias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.

Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor não me pergunto, contesto. A resposta eu sei de cór, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos "Bom dia", quase que sussurrados.

Sobra cobardia e falta coragem até para ser feliz.

A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai.


Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, sentir o nada, mas não são.
Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza.

O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si.

Não é que a fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance.

Para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência, porém, preferir a derrota prévia à dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer.

Para os erros há perdão; para os fracassos, chance; para os amores impossíveis, tempo.

De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance.

Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar.

Desconfie do destino e acredite em você.
Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando, porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.

(Autoria atribuída a Luís Fernando Veríssimo, mas que ele mesmo diz ser de Sarah Westphal Batista da Silva, em sua coluna do dia 31 de março de 2005 do jornal O Globo)


Recebi hoje esta mensagem no meu email. Foi enviada por uma pessoa que eu ainda não conheço mas que sei que me lê (Namaste!) e chegou-me através do meu Maninho. Não pude deixar de sorrir pois tinha sonhado que estava a falar com o querido Amaral (que eu também não conheço pessoalmente)e embora não me recorde das palavras trocadas ficou a sensação.
Não é facil manter-mo-nos á superficie quando a vida mais parece um mar em remoinho que nos puxa para o fundo. E é um pouco assim que me tenho sentido. Tenho recusado a dor - do cansaço, da revolta, de não ter a minha fada comigo, de não conseguir dar mais de mim, de sentir que não estou a corresponder e que há sempre tanto para fazer e eu não consigo fazer tudo - e assim tenho evitado a alegria - de estar viva, de ter forças para lutar, de ver a beleza que me rodeia, de me aperceber do quanto realizei em tão pouco tempo, de me maravilhar com a presença das pessoas que amo e dos seres que me acompanham, de ser Amor.
Tenho vivido no QUASE.
Aplicando todas as minhas energias para não perder o equilibrio precário entre ondas e mais ondas.
Leveza.
A leveza é a única forma de ultrapassar estes remoinhos da vida. A maioria dos afogamentos acontece porque a pessoa aplica a sua energia lutando contra o inevitável - a força do Mar é maior que a nossa - em vez de a poupar de forma a conceder a si mesma o tempo necessário para aproveitar a altura em que a força do Mar esmorece, e fazendo corpo leve, conseguir flutuar até á saída...e então voltar a respirar.
"Escuta o teu coração. Tudo o resto é auto-critica. Respeita as tuas limitações e saúda-te todos os dias, porque tu és indispensável á vida. O teu drama existencial é quereres conciliar aquilo que tu sentes que és com aquilo que tu pensas que tens de ser."

E eu sei que falhei.


PS:Muda de ideias quantas vezes quiseres. Lembra-te, contudo, que cada mudança de ideias vem acompanhada por uma mudança de direcção do Universo inteiro. Quando "constróis uma ideia" sobre qualquer coisa, pões o Universo em movimento. Há forças para além da tua capacidade de compreensão - muito mais complexas e subtis do que possas imaginar - que estão envolvidas num processo cuja dinâmica intricada estás apenas a começar a perceber. Essas forças e esse processo fazem todos parte da extraordinária teia de energias interactivas que abrangem a totalidade da existência a que chamas a própria vida. São, na sua essência, DEUS.

3 comentários:

Francis disse...

"A maioria dos afogamentos acontece porque a pessoa aplica a sua energia lutando contra o inevitável..."
Adorei a frase. Tens toda a razão! Nunca tinha pensado sob essa optica.

Continuas com o teu acto de contrição, não é?
Assim se cresce!

Beijos

Amaral disse...

Obrigado, amiga!
Se és Siala ou não és, isso pouco importa!
Obrigado por aquilo que me fizeste sentir, pela "pancada" que me deste no peito, pela lágrima que me turva a vista!
"Assim se cresce em Eridanis"!...
As falhas que apontas são fruto desse crescimento. É bom que "sejas" sempre! Minuto a minuto, momento a momento!
Abraço-te terna e docemente! Devagar, serenamente, inspirando o teu aroma de flor primaveril.
Tomara que um dia destes te "sinta" num sonho igual ao teu!
Deixa que o QUASE te encha e se transforme no PLENO que sabes que És! Escuta e saboreia! Bebe o néctar dessa Vida que transportas! Sê sempre, sem receios nem lamúrias!
Conheci-te tarde, nesta vasta blogosfera.
Mas é como se tivesse partilhado este "mundo", desde o primeiro momento!...
Faz o que desejas fazer! Nunca irás ser aquilo que não és! A revolta, a dor, o cansaço, apenas são "criações" que poderás dominar, aceitar e jogar fora...
Outras, mais importantes, que trazem bem-estar, estarão à espera que as agarres e as manifestes em ti...
Obrigado, amiga!
Afinal, continuamos a partilhar!!!

Siala ap Maeve disse...

Francis, a asociação atingiu-me como um estrondo :) foi a técnica que me ensinaram na natação, caso tivesse algum problema na água nunca lutar contra a força mas sim utilizá-la com inteligÊncia.
Crecer é um processo doloroso...mas que traz alegrias para além do imaginável.
Bjo e bom Beltane!
*
Querido Amaral, é realmente maravilhoso constatar que o Universo trabalha invisivelmente para que tudo seja como tem que ser.
Pedia eu ontem á noite, depois de um dia muito duro emocional e fisicamente, um sinal que me confirmasse (e confortasse a alma) que estou no caminho, no meu caminho...um caminho que por demasiadas vezes eu atalhei fugindo do meu próprio Eu, recusando ouvir a voz do meu coração, e tentando sempre fazer o que era certo para os outros sem saber o quanto errava comigo. Isto depois de duas semanas pautadas por uma análise introspectiva muito dura, em que passei a pente fino as minhas motivações, os meus actos e as intenções por trás de cada um deles, enfrentando angustias e medos e descobrindo cada particula do meu ser, do meu caracter, destruindo a imagem construida e mergulhando no corpo real. Somos os piores juízes de nós mesmos. Mas o mais exigente Juís sabe também ser o mais Justo e Imparcial.
Ontem ... sinto que atingi o culminar de mais uma fase de aprendizagem e integração, e acredito, foi um passo mais no caminho de regresso a "Casa".
Hoje, a tua mensagem...o Sinal que tinha pedido ao Universo :)
Obrigada meu Amigo, por exitires, por estares cá. Não existem coincidências...e eu sinto que neste momento o Universo sorri.